Você esta aqui

Cinusp apresenta a mostra “Ria, palhaço!”

Entre os dias 4 e 20 de dezembro, o espetáculo vai começar! O CINUSP apresenta a mostra Ria, palhaço!, em parceira com o coletivo CIRCUSP. As atrações incluem debates e filmes brasileiros e internacionais de diversos estilos e épocas, em que o palhaço é representado no circo, na rua ou na estrada.

No documentário Se essa rua fosse minha, os artistas contam sobre suas experiências e os preconceitos que sofrem em seu trabalho. No dia 6, haverá debate com a diretora Júlia Piccolo Von Zeidler e com o palhaço Pixuxu, artista circense de rua.

Chocolat narra a história de um dos primeiros palhaços negros da França. No dia 12, haverá o debate “Palhaço, educação e racismo” após a exibição, com a participação da filósofa e pesquisadora Cida Almeida; o professor e coordenador da Escola de Jovens Artistas do Doutores da Alegria, Heraldo Firmino; e a palhaça e mestranda em Artes Cênicas pela ECA-USP Mariá Guedes.

O brasileiro Deserto traz uma trupe de velhos comediantes no sertão da Paraíba. Palhaços e outros artistas itinerantes também figuram em Noites de circo, de Ingmar Bergman, e no premiado A estrada da vida, de Federico Fellini.

Jonas, de apenas 13 anos, mostra que é possível improvisar um circo no quintal de casa em Jonas e o circo sem lona, de Paula Gomes, vencedor do Prêmio do Público no Festival de Toulouse, na França.

E existe até mesmo filme de palhaço sagrado: Hotxuá é o nome que se dá ao sacerdote do riso designado pelos índios Krahôs para fortalecer e unir o grupo através da alegria.

Apesar das diferenças, o que todo palhaço tem em comum é o riso, deixando de lado suas amarguras na hora do espetáculo para despertar a gargalhada geral. É o que ensinam os palhaços de O palhaço, de Selton Mello, e Ridi, pagliacci!, filme silencioso de 1928. A mostra conta também com obras como Monstros, de Tod Browning, e o clássico Dumbo.

A programação completa e as sinopses dos filmes podem ser conhecidas no site do CINUSP

Topo