21º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro: “Marighella” é o filme com mais indicações

Seu Jorge e Luiz Carlos Vasconcelos em cena de “Marighella”. Crédito: Ariella Bueno.

Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais acaba de divulgar a lista com os finalistas do 21º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Esta edição marca a volta ao formato presencial da maior premiação do setor, que nos dois últimos anos foi realizada virtualmente, e também o retorno ao Rio de Janeiro, depois de três anos em São Paulo. Com direção do artista visual Batman Zavareze e roteiro de Bebeto Abrantes, a cerimônia será realizada na Cidade das Artes, no dia 10 de agosto, com transmissão ao vivo na TV pelo Canal Brasil, e também pelo YouTube e pelo Instagram da Academia. ‘Marighella’, dirigido por Wagner Moura, é o longa com maior número de indicações (17), seguido de ‘O Silêncio da Chuva’, de Daniel Filho (11). Os finalistas concorrem em 31 categorias e foram escolhidos em votação pelos sócios da Academia. Veja abaixo todos os finalistas e indicações.

“Essa edição será mais representativa, pois vai marcar o reencontro presencial de todo o setor para celebrar o nosso audiovisual. Também destaco a alegria de voltarmos ao Rio de Janeiro depois de três anos em São Paulo, onde fomos muito bem recebidos. E, graças ao apoio do prefeito Eduardo Paes retornamos ao Rio, onde esperamos permanecer por muitos anos, contribuindo para a recuperação da cidade”, diz Jorge Peregrino, presidente da Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais.

A lista de finalistas de 2022 reúne mais de 200 profissionais indicados, 17 longas-metragens brasileiros e 10 longas estrangeiros (05 de ficção, 05 documentários, 05 comédias, 02 infantis, 01 de animação, 05 internacionais e 05 ibero-americanos). Ao todo, este ano também estão na disputa 15 curtas brasileiros (05 de ficção, 05 documentários e 05de animação); e 18 séries (04 de animação para TV paga/OTT, 05 documentários para TV paga/OTT, 06 de ficção TV paga/OTT, 03 de ficção TV aberta).

O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é votado por profissionais das mais diversas áreas do setor que são associados à Academia, entidade aberta a toda a classe. E, como acontece todos os anos, a abertura dos envelopes com os vencedores será auditada pela PwC (a mesma que faz a apuração do Oscar). Em 2022, foram inscritos mais de 1000 profissionais nas diferentes categorias, 53 longas de ficção (incluindo infantis e animação), 33 longas documentários, 61 curtas-metragens, 40 séries brasileiras, 35 longas-metragens internacionais, 11 longas ibero-americanos.

Os vencedores serão escolhidos no segundo turno, que começa no dia 20 de junho, com votação entre os sócios da Academia. Em data que será divulgada em breve a votação popular pela internet será iniciada, para que o público eleja seu filme favorito entre os longas brasileiros finalistas de ficção (drama e comédia) e documentário.

A 21ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é uma realização da Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais. Este ano o prêmio conta com o Apoio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Governo e Integridade Pública (SEGOVI) e da RioFilme. Acompanhamento e Apuração da PwC Brasil. A transmissão da cerimônia é feita ao vivo aqui da Cidade das Artes e pode ser vista no Canal do Youtube e Instagram da Academia e pelo Canal Brasil.

Sobre a Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais

Com sede no Rio de Janeiro e representatividade nacional, a Academia Brasileira de Cinema – que este ano passa a se chamar Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais – é uma entidade independente criada no dia 20 de maio de 2002 com a finalidade, entre outras, de instituir o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro e contribuir para a discussão, promoção e fortalecimento da indústria audiovisual em todo o Brasil.

A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais foi reconhecida em 2020 pela Academy of Motion Picture, Arts and Sciences como única entidade credenciada para indicar o filme que representa o cinema brasileiro na categoria Melhor Longa-Metragem Internacional no Oscar, sem qualquer tutela do governo que esteja no poder.

Profissionais do setor, das mais diversas áreas, podem se associar à Academia, adquirindo assim não apenas o direito de votar no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, mas de participar das assembleias e eventos que acontecem ao longo do ano, como a eleição para a comissão que escolhe o filme brasileiro indicado para representar o país no Oscar.

A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais é presidida por Jorge Peregrino e a diretoria é composta por Paulo Mendonça (vice-presidente), Alexandre Duvivier, Bárbara Paz, Iafa Britz e Renata Almeida Magalhães.

Sobre o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é organizado e votado pelos próprios profissionais do setor, uma forma da própria classe celebrar o seu trabalho e dar o devido reconhecimento ao talento de seus profissionais. A premiação é anual. Contribui para a elevação e a promoção do cinema brasileiro junto à população e ao público do país, através do reconhecimento da qualidade técnica e artística de seus filmes e da confraternização entre os profissionais da indústria.

O processo de definição dos vencedores do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é dividido em duas etapas: indicação e premiação. A partir de 2004 a votação passou a ser feita via internet, pelos sócios da Academia, que recebem uma senha eletrônica para votar pela internet. O sistema tem a auditoria da empresa PwC.

Na fase de indicação são escolhidas as cinco obras e profissionais representantes de cada categoria que passarão para a etapa seguinte. A escolha é feita pelos sócios — através de uma cédula de votação eletrônica com a lista completa de todos os concorrentes. Terminado o processo de apuração do primeiro turno, uma nova relação com os cinco escolhidos em cada categoria é enviada aos sócios que escolhem, então, os vencedores. Nas duas etapas a votação é secreta e a abertura das cédulas, bem como a apuração dos votos, é realizada pela PwC.

Conheça abaixo a lista dos finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2022. As sócios e os sócios da ABC estão destacados em negrito.

MELHOR LONGA-METRAGEM FICÇÃO

  • 7 PRISIONEIROS, de Alexandre Moratto. Produção: Andrea Barata Ribeiro,Bel Berlinck e Fernando Meirelles por O2 Filmes,Ramin Bahrani e Alexandre Moratto por Noruz Films.
  • DEPOIS A LOUCA SOU EU, de Julia Rezende. Produção: Mariza Leão por Atitude Produçõese Empreendimentos.
  • DESERTO PARTICULAR, de Aly Muritiba. Produção: Antonio Gonçalves Junior por Grafo Audiovisual.
  • HOMEM ONÇA, de Vinícius Reis. Produção: Gisela Câmara e Vinícius Reis por Tacacá Filmes.
  • MARIGHELLA, de Wagner Moura. Produção: Bel Berlinck, Andrea BarataRibeiro, Fernando Meirelles por O2 Filmes e WagnerMoura por Maria da Fé.

MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA

  • A SOGRA PERFEITA, de Cris D’Amato. Produção: Andre Fraccaroli e Sandra Cintra Foz por Paris Produções.
  • DEPOIS A LOUCA SOU EU, de Julia Rezende. Produção: Mariza Leão por Atitude Produções e Empreendimentos.
  • O AUTO DA BOA MENTIRA, de José Eduardo Belmonte. Produção: Luciana Pires, Monica Monteiro e Fátima Pereira por Cine Group.
  • QUEM VAI FICAR COM MÁRIO?, de Hsu Chien Hsin. Produção: Virginia Limberger por Sincrocine Produções.
  • UM CASAL INSEPARÁVEL, de Sergio Goldenberg. Produção: Roberto Berliner por TvZero e Sergio Goldenberg por Trópicos Arte e Comunicação.

MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

  • 8 PRESIDENTES 1 JURAMENTO – A HISTÓRIA DE UM TEMPO PRESENTE, de Carla Camurati. Produção: Carla Camurati por Copacabana Filmes e João Jardim por Fogo Azul Filmes.
  • A ÚLTIMA FLORESTA, de Luiz Bolognesi. Produção: Caio Gullane; Fabiano Gullane por Gullane, Lais Bodanzky e Luiz Bolognesi por Buriti Filmes.
  • ALVORADA, de Anna Muylaert e Lô Politi. Produção: Lô Politi por Dramática Filmes, Ivan Melo por Cup Filmes e Anna Muylaert por África Filmes.
  • CHACRINHA, EU VIM PARA CONFUNDIR E NÃO PARA EXPLICAR, de Micael Langer e Cláudio Manoel. Produção: Angelo Salvetti, Cosimo Valerio e Altino Pavan por Media Bridge Produções.
  • CINE MARROCOS, de Ricardo Calil. Produção: Eliane Ferreira e Pablo Iraola por Muiraquitã Filmes e Ricardo Callil por Olha Só Filmes.

MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL

  • TURMA DA MÔNICA — LIÇÕES, de Daniel Rezende. Produção: Bianca Villar, Fernando Fraiha e Karen Castanho por Biônica Filmes, Marcio Fraccaroli por Paris Entretenimento e Daniel Rezende.
  • UM TIO QUASE PERFEITO 2, de Pedro Antônio Paes. Produção: Érica Iootty e Jorge Peregrino por Arpoador Audiovisual e Mariza Leão por Morena Filmes.

MENÇÃO HONROSA — LONGA-METRAGEM ANIMAÇÃO

  • BOB CUSPE — NÓS NÃO GOSTAMOS DE GENTE, de Cesar Cabral. Produção: Cesar Cabral e Anália Tahara por Coala Produções Audiovisuais.

MELHOR DIREÇÃO

  • ALEXANDRE MORATTO por 7 Prisioneiros.
  • ALY MURITIBA por Deserto Particular.
  • ANNA MUYLAERT E LÔ POLITI por Alvorada.
  • DANIEL FILHO por O Silêncio da Chuva.
  • DANIEL REZENDE por Turma da Mônica – Lições.
  • LUIZ BOLOGNESI por A Última Floresta.

MELHOR PRIMEIRA DIREÇÃO DE LONGA-METRAGEM

  • CAMILA FREITAS por Chão.
  • CESAR CABRAL por Bob Cuspe – Nós Não Gostamos de Gente.
  • DÉO CARDOSO por Cabeça de Nêgo.
  • IULI GERBASE por A Nuvem Rosa.
  • MADIANO MARCHETI por Madalena.
  • WAGNER MOURA por Marighella.

MELHOR ATRIZ

  • ADRIANA ESTEVES como Clara por Marighella.
  • ANDREIA HORTA como Mariana por O Jardim Secreto de Mariana.
  • DÉBORA FALABELLA como Dani por Depois a Louca sou Eu.
  • DIRA PAES como Rita por Veneza.
  • MARIETA SEVERO como Ada por Noites de Alface.

MELHOR ATOR

  • ANTONIO SABOIA como Daniel por Deserto Particular.
  • BRUNO GAGLIASSO como Lúcio por Marighella.
  • CHICO DIAZ como Pedro por Homem Onça.
  • IRANDHIR SANTOS como Omar por Piedade.
  • SEU JORGE como Marighella por Marighella.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • BÁRBARA PAZ como Bárbara por Por Que Você Não Chora?
  • BELLA CAMERO como Bella por Marighella.
  • CAROL CASTRO como Madalena por Veneza.
  • CLAUDIA ABREU como Beatriz por O Silêncio da Chuva.
  • ZEZÉ MOTTA como Francisca por Doutor Gama.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • ANDRÉ ABUJAMRA como Nando por 7 Prisioneiros.
  • AUGUSTO MADEIRA como Mucio por Acqua Movie.
  • DANTON MELLO como Beto por Um Tio Quase Perfeito 2.
  • EMILIO DE MELLO como Dantas por Homem Onça.
  • HUMBERTO CARRÃO como Humberto por Marighella.
  • LUIZ CARLOS VASCONCELOS como Branco por Marighella.
  • RODRIGO SANTORO como Luca por 7 Prisioneiros.

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

  • ADRIAN TEIJIDO, ABC por Marighella.
  • AZUL SERRA, ABC por Turma da Mônica – Lições.
  • CRISTIANO CONCEIÇÃO por Doutor Gama.
  • FELIPE REINHEIMER, ABC por O Silêncio da Chuva.
  • GUSTAVO HADBA, ABC por Acqua Movie.
  • GUSTAVO HADBA, ABC por Veneza.
  • LUIS ARMANDO ARTEAGA por Deserto Particular.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • ANNA MUYLAERT E LÔ POLITI por Alvorada.
  • DAVI KOPENAWA YANOMAMI E LUIZ BOLOGNESI por A Última Floresta.
  • HENRIQUE DOS SANTOS E ALY MURITIBA por Deserto Particular.
  • HILTON LACERDA, ANNA CAROLINA FRANCISCO E DILLNER GOMES por Piedade.
  • THAYNÁ MANTESSO E ALEXANDRE MORATTO por 7 Prisioneiros.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • FELIPE BRAGA E WAGNER MOURA – adaptado da obra “Marighella: O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo”, de Mario Magalhães – por Marighella.
  • LUCIA MURAT E TATIANA SALEM LEVY – livremente inspirado na peça teatral “Há mais futuro que passado”, de Clarisse Zarvos e Daniele Avila Small – por Ana. Sem Título.
  • LUSA SILVESTRE – inspirado no livro “O Silêncio da Chuva”, de Luiz Alfredo Garcia-Roza – por O Silêncio da Chuva.
  • MARIANA ZATZ E THIAGO DOTTORI – da Obra “Turma da Mônica”, de Mauricio de Sousa e inspirado na Graphic Novel “Lições” de Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi por Turma da Mônica – Lições.
  • MIGUEL FALABELLA – adaptado peça teatral “Venecia”, de Jorge Accame – por Veneza.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • CLAUDIO AMARAL PEIXOTO por 4×100 – Correndo por um Sonho.
  • FABÍOLA BONOFIGLIO E MARCOS PEDROSO por Deserto Particular.
  • FREDERICO PINTO, ABC por Marighella.
  • MÁRIO MONTEIRO por O Silêncio da Chuva.
  • TULÉ PEAKE, ABC por Veneza.
  • WILLIAM VALDUGA por 7 Prisioneiros.

MELHOR FIGURINO

  • ALINE CANELLA por 7 Prisioneiros.
  • BIA SALGADO por Veneza.
  • KIKA LOPES por O Silêncio da Chuva.
  • RÔ NASCIMENTO por Doutor Gama.
  • VERÔNICA JULIAN por Marighella.

MELHOR MAQUIAGEM

  • ADRIANO MANQUES por O Silêncio da Chuva.
  • BRITNEY FEDERLINE por Deserto Particular.
  • GABI BRITZKI por Turma da Mônica – Lições.
  • MARTÍN MACÍAS TRUJILLO por Marighella.
  • MARTÍN MACÍAS TRUJILLO por Veneza.

MELHOR EFEITO VISUAL

  • EDUARDO SCHAAL, GUILHERME RAMALHO E HUGO GURGEL por Bob Cuspe – Nós Não Gostamos de Gente.
  • EMERSON BONADIAS por O Silêncio da Chuva.
  • LUIZ ADRIANO por Veneza.
  • MARCO PRADO por Turma da Mônica – Lições.
  • PEDRO DE LIMA MARQUES por Contos do Amanhã.
  • SAULO SILVA por Marighella.

MELHOR MONTAGEM FICÇÃO

  • DIANA VASCONCELLOS, ABC por O Silêncio da Chuva.
  • DIANA VASCONCELLOS, ABC por Veneza.
  • GERMANO DE OLIVEIRA por 7 Prisioneiros.
  • KAREN HARLEY, EDT por Piedade.
  • LUCAS GONZAGA por Marighella.

MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO

  • EVA RANDOLPH E YAN MOTTA por Boa Noite.
  • IDÊ LACRETA, ABC por Zimba.
  • JOANA VENTURA por 8 Presidentes 1 Juramento – A História de um Tempo Presente.
  • JORDANA BERG por Cine Marrocos.
  • RICARDO FARIAS por A Última Floresta.
  • VANIA DEBS por Alvorada.

MELHOR SOM

  • GEORGE SALDANHA, ABC, ALESSANDRO LAROCA, EDUARDO VIRMOND LIMA E RENAN DEODATO por Marighella.
  • JORGE REZENDE, MIRIAM BIDERMAN, ABC, RICARDO REIS, ABC E TOCO CERQUEIRA por Turma da Mônica – Lições.
  • LIA CAMARGO, ABC E TOM MYERS por 7 Prisioneiros.
  • MARCEL COSTA, SIMONE PETRILLO E PAULO GAMA por O Silêncio da Chuva.
  • VALÉRIA FERRO, TIAGO BITTENCOURT, DANIEL TURINI, FERNANDO HENNA E SÉRGIO ABDALLA por Acqua Movie

MELHOR TRILHA SONORA

  • ANDRÉ ABUJAMRA E MÁRCIO NIGRO por Bob Cuspe – Nós Não Gostamos de Gente.
  • ANTONIO PINTO por Acqua Movie.
  • ANTONIO PINTO por Marighella.
  • BERNA CEPPAS por O Silêncio da Chuva.
  • CRISTOVÃO BASTOS por Pixinguinha, um Homem Carinhoso.
  • FELIPE AYRES por Deserto Particular.

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA ANIMAÇÃO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV PAGA/OTT

  • ANGELI THE KILLER — 2ª TEMPORADA (Canal Brasil). Direção Geral: Cesar Cabral. Produtora Brasileira Independente: Coala Produções Audiovisual
  • AVENTURAS DE AMÍ — 1ª TEMPORADA (globoplay). Direção Geral: Maria Carolina e Igor Souza. Produtora Brasileira Independente: Lanterninha Produções
  • OS UNDER-UNDERGROUNDS — 2ª TEMPORADA (Nickelodeon). Direção Geral: Fernando Alonso e Nelson Botter Jr. Produtora Brasileira Independente: Tortuga Studios
  • PLANETA PALAVRA — 1ª TEMPORADA (Discovery +). Direção Geral: Claudio Peralta. Produtora Brasileira Independente: Conspiração Filmes

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA DOCUMENTÁRIO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV PAGA/OTT

  • ABRE ALAS — 1ª TEMPORADA (Youtube Originals) Direção Geral: Maristela Mattos. Produtora Brasileira Independente: Conspiração.
  • SOCIEDADE DO CANSAÇO — 1ª TEMPORADA (GNT). Direção Geral: Patrick Hanser. Produtora Brasileira Independente: Spray Filmes.
  • SOM DA RUA — 3ª TEMPORADA (Canal Curta). Direção Geral: Roberto Berliner. Produtora Brasileira Independente: TvZero.
  • TRANSAMAZÔNICA – UMA ESTRADA PARA O PASSADO — 1ª TEMPORADA (HBO e HBO GO) Direção Geral: Jorge Bodanzky. Produtora Brasileira Independente: Ocean Produção de Filmes.
  • TU CASA ES MI CASA — 1ª TEMPORADA (HBO Mundi e HBO GO) Direção Geral: Paulinho Moska e Pablo Casacuberta. Produtora Brasileira Independente: Santa Rita Filmes.

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA FICÇÃO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV PAGA/OTT

  • CHÃO DE ESTRELAS — 1ª TEMPORADA (Canal Brasil) Direção Geral: Hilton Lacerda. Produtora Brasileira Independente: Carnaval Filmes.
  • COLÔNIA — 1ª TEMPORADA (Canal Brasil) Direção Geral: André Ristum. Produtora Brasileira Independente: Gullane, Sombumbo e TC Filmes.
  • DETETIVES DO PRÉDIO AZUL — 15ª TEMPORADA (Gloob e Globoplay) Direção Geral: Tatiana de Lamare. Produtora Brasileira Independente: Conspiração.
  • DOM — 1ª TEMPORADA (Amazon Prime Video) Direção Geral: Breno Silveira. Produtora Brasileira Independente: Conspiração.
  • MANHÃS DE SETEMBRO — 1ª TEMPORADA (Amazon Prime Video) Direção Geral: Luis Pinheiro. Produtora Brasileira Independente: O2 Filmes.
  • SINTONIA — 2ª TEMPORADA (Netflix) Direção Geral: KondZilla. Produtora Brasileira Independente: Gullane.

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA FICÇÃO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV ABERTA

  • EXTERMINADORES DO ALÉM — 1ª TEMPORADA (SBT). Direção Geral: Fabricio Bittar. Produtora Brasileira Independente: Clube Filmes
  • LABORATÓRIO ALOPRADO TÁ ON — 1ª TEMPORADA (TVE-RS). Direção Geral: Edye. Produtora Brasileira Independente: Entreteniarte Produções
  • SOB PRESSÃO — 4ª TEMPORADA (Globo). Direção Geral: Andrucha Waddington. Produtora Brasileira Independente: Conspiração

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

  • AURORA – A RUA QUE QUERIA SER UM RIO, de Radhi Meron.
  • BATCHAN, de Ester Harumi Kawai.
  • CENAS DA INFÂNCIA, de Kimberly Palermo.
  • MITOS INDÍGENAS EM TRAVESSIA, de Julia Vellutini e Wesley Rodrigues.
  • SOLITUDE, de Tami Martins.

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

  • A FOME DE LÁZARO, de Diego Benevides.
  • FOGO BAIXO ALTO ASTRAL, de Helena Ignez.
  • FOI UM TEMPO DE POESIA, de Petrus Cariry.
  • MÃE SOLO, de Camila de Moraes.
  • YAÕKWA, IMAGEM E MEMÓRIA, de Rita Carelli e Vincent Carelli.

MELHOR CURTA-METRAGEM DE FICÇÃO

  • A MÁQUINA INFERNAL, de Francis Vogner dos Reis.
  • ATO, de Bárbara Paz.
  • CÉU DE AGOSTO, de Jasmin Tenucci.
  • CHÃO DE FÁBRICA, de Nina Kopko.
  • UMA PACIÊNCIA SELVAGEM ME TROUXE ATÉ AQUI, de Érica Sarmet.

MELHOR FILME IBERO-AMERICANO

  • A NOITE DO FOGO – Noche de Fuego (México) / Ficção / Direção: Tatiana Huezo. Distribuidor Brasileiro: Vitrine Filmes.
  • ARANHA – Araña (Argentina, Brasil e Chile) /Ficção/ Direção: Andrés Wood. Coprodução Brasileira: BossaNovaFilms. Distribuidor Brasileiro: Pandora Filmes.
  • CORAÇÃO ERRANTE – Errante Corazón (Brasil, Argentina, Chile, Espanha e Holanda) / Ficção / Direção: Leonardo Brzezicki. Coprodução Brasileira: RT Features. Distribuidor Brasileiro: Elo Company.
  • EMA – Ema (Chile) / Ficção / Direção: Pablo Larraín. Distribuidor Brasileiro: Imovision.
  • UM CRIME EM COMUM – Un crimen común (Argentina) / Ficção / Direção: Francisco Márquez. Distribuidor Brasileiro: Vitrine Filmes.

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • DRUK – Mais Uma Rodada – Druk (Dinamarca) / Ficção/ Direção: Thomas Vinterberg. Distribuidor Brasileiro: Vitrine Filmes.
  • DUNA – Dune (EUA) / Ficção / Direção: Denis Villeneuve. Distribuidor Brasileiro: Warner Bros.
  • MEU PAI – The Father (EUA) / Ficção / Direção: Florian Zeller. Distribuidor Brasileiro: Califórnia Filmes.
  • NOMADLAND – Nomadland (EUA) / Documentário / Direção: Chloe Zhao. Distribuidor Brasileiro: Disney.
  • SUMMER OF SOUL (…OU, QUANDO A REVOLUÇÃO NÃO PÔDE SER TELEVISIONADA) – Summer of Soul (…or, When the Revolution Could not be Televised) (EUA) / Documentário). Direção: Questlove Thompson. Distribuidor Brasileiro: Disney.
Topo