CineSesc recebe mostra Diversidade no Cinema Paulista

Celebrando o mês do orgulho LGBTQ e os 50 anos da Revolta de Stonewall, marco do movimento, o CineSesc realiza na semana da Parada LGBTQ de São Paulo a mostra Diversidade no Cinema Paulista / Anos 80.

O foco vai para a “tetralogia” formada pelos filmes “O Olho Mágico do Amor” (1981), “Onda Nova” (1983), “Estrela Nua” (1985) e “O Corpo” (1991). Os três primeiros são dirigidos pela dupla Ícaro Martins & José Antônio Garcia. O último, apenas por José Antônio Garcia ( 1955-2005 ).

Em comum, os filmes tem a efervescência do jovem cinema paulistano da década de 80, a ousadia temática e linguística e o foco na chamada “alma feminina”. Protagonizando todos os filmes está um time potente de personagens femininas que literalmente tomam o poder sobre suas próprias vidas, seus corpos, seus anseios, seus desejos. Mais atuais, impossível.

Apesar dos filmes serem dirigidos por cineastas homens, o resultado surpreende. Ícaro e Zé Antônio podem ser encarados como “estranhos no ninho” do cinema brasileiro, descartando o habitual machismo e a misoginia com que o cinema nacional quase sempre retratou suas mulheres. Essa identificação com o universo feminino continuou mesmo depois que a parceria entre os dois terminou: Zé Antônio dirigiu sozinho “O Corpo” e depois foi o diretor convocado pela atriz Maria Zilda Bethlem para dirigir “Minha Vida em Suas Mãos” (2001), filme produzido e estrelado por ela, escrito pela roteirista Yoya Wursch e que também discute o protagonismo feminino; Ícaro Martins, por sua vez, foi codiretor, ao lado de Helena Ignez, de “Luz nas Trevas: A Volta do Bandido da Luz Vermelha” (2010).

A “tetralogia” exibida na mostra foi toda produzida pela Olympus Filmes, lendária produtora paulistana capitaneada por Adone Fragano ( 1923-2014).

 

Serviço

O Olho Mágico do Amor / Onda Nova / Estrela Nua / O Corpo
De quinta a domingo – Dias 20, 21, 22 e 23 de junho, sempre às 19h no CineSesc
Entrada Grátis

Topo