Mostra Fabulações do Real realiza conversa com Cao Guimarães e Consuelo Lins

Imergir nas vidas e nas percepções de indivíduos diante do desaparecimento de profissões e ofícios. Esse é o mote do documentário em longa-metragem “O Fim do sem Fim” (2001), que será debatido na próxima live da Mostra Fabulações no Real. O evento virtual terá como convidados um dos diretores do longa, Cao Guimarães, e a pesquisadora e professora da UFRJ, Consuelo Lins.

O bate-papo acontece no Canal do YouTube e no Facebook do Porto Iracema das Artes, às 18h, na terça-feira (1).

O filme será liberado pela organização da Mostra por meio de formulário online disponível AQUI. A solicitação pode ser feita até às 12h da próxima terça-feira (1). O link para o filme será liberado no sábado (28), às 12h.

Sobre os convidados:

Cao Guimarães
Atua no cruzamento entre o cinema e as artes plásticas. Com produção intensa desde o final dos anos 1980, o artista tem suas obras em numerosas coleções prestigiadas como a Tate Modern (Reino Unido), o MoMA e Museu Guggenheim (EUA), Fondation Cartier (França), Inhotim (Brasil), dentre muitas outras. Realizou dez longas-metragens: Espera (2018), O Homem das Multidões (2013), Otto (2012), Elvira Lorelay Alma de Dragón (2012), Ex Isto (2010), Andarilho (2007), Acidente (2006), Alma do Osso (2004), Rua de Mão-Dupla (2002) e o Fim do Sem Fim (2001), que participaram de renomados festivais internacionais como Cannes, Locarno, Sundance, Veneza, Berlim e Rotterdam. Participou de importantes exposições como XXV e XXVII Bienal Internacional de São Paulo, Brasil; Insite Biennial 2005, México; Cruzamentos: Contemporary Art in Brazil, EUA; Ver é Uma Fábula, Brasil, uma retrospectiva com grande parte das obras do artista expostas no Itaú Cultural, em São Paulo, entre outras.

Consuelo Lins
Professora titular da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, é pesquisadora do CNPQ na área de audiovisual contemporâneo, particularmente cinema contemporâneo, documentário, documentário subjetivo e ensaios fílmicos. É doutora pela Universidade de Paris 3 – Sorbonne Nouvelle, onde atuou em 2014 como professora convidada. Pós-doutora (2015) pelo Departamento de Filme e Estudos Culturais do Birkbeck College, da Universidade de Londres. Autora dos livros “O documentário de Eduardo Coutinho; televisão, cinema e vídeo” (Ed. Jorge Zahar, 2004), em parceria com Cláudia Mesquita, “Filmar o real, sobre o documentário brasileiro contemporâneo” (Ed. Jorge Zahar, 2008) e o recém lançado “Cao Guimarães – Arte Documentário Ficção” (Ed. 7Letras, 2019). Além disso, é diretora dos filmes “Lectures” (2005), “Leituras Cariocas” (2009), “Babás” (2010), entre outros.

Kamilla Medeiros (curadoria e mediação)
Pesquisadora de cinema, cineclubista e realizadora. É formada em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará – UFC e em Audiovisual pelo curso básico do Porto Iracema das Artes. Dedica-se aos estudos sobre documentário brasileiro e cinema de fabulação. Entre 2019 e 2020, pela Vila das Artes, organizou e mediou a mostra “Acasos, memórias & destinos no documentário brasileiro: um encontro entre Eduardo Coutinho e João Moreira Salles”, e as sessões sobre a obra de Eduardo Coutinho com as participações de Beth Formaggini, Consuelo Lins e Carlos Alberto Mattos.

Topo