Sessão CURTA CINEMATECA retorna à programação

Juvenília, de Paulo Sacramento

A sessão CURTA CINEMATECA está de volta! Toda última quarta-feira do mês, sempre às 20h, a Cinemateca Brasileira vai apresentar uma seleção de curtas-metragens com entrada franca. O projeto vai manter um espaço de exibição permanente para o formato, com o intuito de valorizar o curta-metragem como expressão cultural, técnica e estética.

Excepcionalmente na próxima sexta-feira, 26 de agosto, às 18h30, dentro da programação da 33ª edição do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, a Cinemateca Brasileira anuncia os filmes que vão compor os programas do CURTA CINEMATECA, de agosto a novembro.

No relançamento do projeto serão apresentados títulos relacionados à Cinemateca BrasileiraA Grávida da Cinemateca, de Christian Saghaard; Cinemateca Brasileira, de Ozualdo Candeias; Festejo Muito Pessoal, de Carlos Adriano; Nitrato, de Alain Fresnot e Juvenília, de Paulo Sacramento.

No dia 31 de agosto, quarta-feira, às 20h, a sessão será com a antologia francesa de 1949, Retour à la Vie, que reúne cinco histórias sobre a volta de prisioneiros de guerra à França depois da Segunda Guerra Mundial, dirigidas por Henri-Georges Clouzot (O retorno de Jean), André Cayatte (O retorno de tia Emma), Georges Lampin (O retorno de Antoine), Jean Dréville (O retorno de Renê et O retorno de Louis)

Já em setembro, dia 28, a Cinemateca Brasileira exibirá curtas surrealistas em 16mm incluindo Um Cão Andaluz (1928), com roteiro de Luis Buñuel e Salvador Dalí.

No dia 30 de novembro, vamos celebrar o sucesso dos curtas-metragens brasileiros em festivais internacionais com o bloco O Brasil Lá Fora:  Santuário (1951), de Lima Barreto; Meow! (1981), de Marcos Magalhães; O Lençol Branco (2002), de Juliana Rojas e Marco Dutra; Eu Não Quero Voltar Sozinho (2010), de Daniel Ribeiro; O Céu de Agosto (2021), de Jasmin Tenucci e Manhã de domingo (2022), de Bruno Ribeiro.

CURTA CINEMATECA

Cinemateca Brasileira | Sala Grande Otelo (210 lugares + 04 assentos para cadeirantes)
Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Mariana
Ingressos gratuitos e distribuídos uma hora antes de cada sessão

CINEMATECA BRASILEIRA

A Cinemateca Brasileira, maior acervo de filmes da América do Sul e membro pioneiro da Federação Internacional de Arquivo de Filmes – FIAF, foi inaugurada em 1949 como Filmoteca do Museu de Arte Moderna de São Paulo, tornando-se Cinemateca Brasileira em 1956, sob o comando do seu idealizador, conservador-chefe e diretor Paulo Emílio Sales Gomes. Compõem o cerne da sua missão a preservação das obras audiovisuais brasileiras e a difusão da cultura cinematográfica. Desde 2022, a instituição é gerida pela Sociedade Amigos da Cinemateca, entidade criada em 1962, e que recentemente foi qualificada como Organização Social.

O acervo da Cinemateca Brasileira compreende mais de 40 mil títulos e um vasto acervo documental (textuais, fotográficos e iconográficos) sobre a produção, difusão, exibição, crítica e preservação cinematográfica, além de um patrimônio informacional online dos 120 anos da produção nacional. Alguns recortes de suas coleções, como a Vera Cruz, a Atlântida, obras do período silencioso, além do acervo jornalístico e de telenovelas da TV Tupi de São Paulo, estão disponíveis no Banco de Conteúdos Culturais para acesso público.

 

Topo