Sócios e sócia da ABC são premiados no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2022

A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais divulgou ontem, 10 de agosto, as e os profissionais e trabalhos premiados no 21º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. A cerimômia de premiação, que aconteceu na Cidade das Artes Bibi Ferreira, no Rio de Janeiro, teve apresentação de Camila Pitanga e Silvero Pereira e foi transmitida ao vivo pelo YouTube da Academia e pelo Canal Brasil.

O grande premiado deste ano foi “Marighella”, ganhador de oito Troféus Grande Otelo, incluindo os de Melhor Longa-Metragem Ficção, Melhor Primeira Direção de Longa-Metragem e Melhor Roteiro Adaptado, além dos prêmios concedidos aos sócios e à sócia da ABC: Adrian Teijido, ABC (fotografia), Frederico Pinto, ABC (arte), George Saldanha, ABC (som) e Verônica Julian (figurino).

O 21º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro homenageou as mulheres produtoras de cinema  que, ao longo da história foram e são protagonistas na realização de centenas de filmes, dos mais diversos gêneros. Também foram celebrados os 60 anos do filme O Pagador de Promessas, dirigido por Anselmo Duarte, único longa-metragem brasileiro a conquistar a Palma de Ouro do Festival de Cannes, em 1962.

Foram anunciados 32 prêmios, em quatro grandes categorias: longa-metragem, curta-metragem e séries brasileiras, escolhidos pelo amplo júri formado por profissionais associados à Academia Brasileira de Cinema, além do prêmio de Melhor Filme pelo Júri Popular, que teve votação pelo site da instituição.

Confira a lista completa dos trabalhos e profissionais vencedores:

MELHOR LONGA-METRAGEM FICÇÃO

  • MARIGHELLA, de Wagner Moura. Produção: Bel Berlinck, Andrea Barata Ribeiro, Fernando Meirelles por O2 Filmes e Wagner Moura  por Maria da Fé.

MELHOR FILME – JÚRI POPULAR

  • O Auto da Boa Mentira, de José Eduardo Belmonte. Produção: Mônica Monteiro, Fátima Pereira e Luciana Pires por Cinegroup.

MELHOR DIREÇÃO

  • DANIEL FILHO por O Silêncio da Chuva.

MELHOR PRIMEIRA DIREÇÃO DE LONGA-METRAGEM

  • WAGNER MOURA por Marighella.

MELHOR ATOR

  • SEU JORGE como Marighella por Marighella.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • RODRIGO SANTORO como Luca por 7 Prisioneiros.

MELHOR ATRIZ

  • DIRA PAES como Rita por Veneza.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • ZEZÉ MOTTA como Francisca por Doutor Gama.

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • NOMADLAND – Nomadland (EUA) / Documentário / Direção: Chloe Zhao. Distribuidor brasileiro: Disney.

MELHOR FILME IBERO-AMERICANO

  • EMA – Ema (Chile) / Ficção / Direção: Pablo Larraín. Distribuidor Brasileiro: Imovision.

MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

  • A ÚLTIMA FLORESTA, de Luiz Bolognesi. Produção: Caio Gullane; Fabiano Gullane por Gullane, Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi por Buriti Filmes.

MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA

  • DEPOIS A LOUCA SOU EU, de Julia Rezende. Produção: Mariza Leão por Atitude Produções e Empreendimentos.

MENÇÃO HONROSA – LONGA-METRAGEM ANIMAÇÃO 

  • BOB CUSPE – NÓS NÃO GOSTAMOS DE GENTE, de Cesar Cabral.  Produção: Cesar Cabral e Anália Tahara por Coala Produções Audiovisuais.

MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL

  • TURMA DA MÔNICA – LIÇÕES, de Daniel Rezende. Produção: Bianca Villar, Fernando Fraiha e Karen Castanho por Biônica Filmes, Marcio Fraccaroli por Paris Entretenimento e Daniel Rezende.

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

  • YAÕKWA, IMAGEM E MEMÓRIA, de Rita Carelli e Vincent Carelli.

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

  • MITOS INDÍGENAS EM TRAVESSIA, de Julia Vellutini e Wesley Rodrigues.

MELHOR CURTA-METRAGEM DE FICÇÃO

  • ATO, de Bárbara Paz.

MELHOR MONTAGEM FICÇÃO

  • KAREN HARLEY, EDT por Piedade.

MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO

  • RICARDO FARIAS por A Última Floresta.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • HENRIQUE DOS SANTOS E ALY MURITIBA por Deserto Particular.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • FELIPE BRAGA E WAGNER MOURA – adaptado da obra “Marighella: O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo”, de Mario Magalhães – por Marighella.

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

  • ADRIAN TEIJIDO, ABC, por Marighella.

MELHOR EFEITO VISUAL

  • PEDRO DE LIMA MARQUES por Contos do Amanhã.

MELHOR SOM

  • GEORGE SALDANHA, ABC, ALESSANDRO LAROCA, EDUARDO VIRMOND LIMA E RENAN DEODATO por Marighella.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • FREDERICO PINTO, ABC por Marighella.

MELHOR MAQUIAGEM

  • MARTÍN MACÍAS TRUJILLO por Veneza.

MELHOR FIGURINO

  • VERÔNICA JULIAN por Marighella.

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA DOCUMENTÁRIO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV PAGA/OTT

  • TRANSAMAZÔNICA – UMA ESTRADA PARA O PASSADO – 1ª TEMPORADA (HBO e HBO GO) Direção Geral: Jorge Bodanzky. Produtora Brasileira Independente: Ocean Films.

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA ANIMAÇÃO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV PAGA/OTT

  • ANGELI THE KILLER – 2ª TEMPORADA (Canal Brasil). Direção Geral: Cesar Cabral. Produtora Brasileira Independente: Coala Produções Audiovisual.

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA FICÇAO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV ABERTA

  • SOB PRESSÃO – 4ª TEMPORADA (Globo). Direção Geral: Andrucha Waddington. Produtora Brasileira Independente: Conspiração.

MELHOR SÉRIE BRASILEIRA FICÇÃO, DE PRODUÇÃO INDEPENDENTE – TV PAGA/OTT

  • DOM – 1ª TEMPORADA (Amazon Prime Video) Direção Geral: Breno Silveira. Produtora Brasileira Independente: Conspiração.

MELHOR TRILHA SONORA

  • ANDRÉ ABUJAMRA E MÁRCIO NIGRO por Bob Cuspe – Nós Não Gostamos de Gente.

Fonte: Cenas de Cinema

 

Topo