Teste das lentes SIGNATURE PRIME FF T 1.8 da ARRI

por Alfonso Parra, AEC, ADFC

 

Alguns dias se passaram desde que encerramos as filmagens e, hoje, chegamos pontualmente à reunião onde discutiremos nossas impressões das lentes Signature Prime da ARRI. Estão presentes: Adriana Bernal, diretora de fotografia e presidente da ADFC, Juan Pablo Bonilla, DIT, Julian Vergara, 1º assistente de câmera e eu, Alfonso Parra, AEC, ADFC.

A seguir, está a transcrição da nossa conversa e algumas das imagens dos testes apenas para referência, uma vez que são imagens JPEG criadas a partir do material ProRes e ARRIRAW. O material foi capturado em dois formatos distintos: para todos os estudos de charts, utilizamos o formato Open Gate com uma resolução de 4448 x 3096 capturada em ProRes 4444 e para as externas a resolução de 4K UHD, a 16:9 (1:1.78) em ARRIRAW.

Para examinar nossas imagens, usamos programas como o ARRIRAW Converter, Blackmagic DaVinci Resolve 14 Studio, Scratch, Imatest, ImageJ, entre outros.

Para fazer as imagens do estúdio, usamos os refletores LitePanel Gemini com o auxílio de um fotômetro Sekonic L-558 Cine e um colorímetro/espectrofotômetro Sekonic C700, bem como um waveform e um vetorscope.

 As cenas exteriores foram filmadas em Ráquira, Boyacá, Colômbia, onde visitamos uma fábrica industrial e uma oficina de cerâmica artesanal. Também filmamos no Mosteiro da Candelaria, fundado pelos monges Agustinos Recoletos em 1604 e capturamos imagens em um local conhecido como Pátio das Bruxas, um local onde as bruxas supostamente se encontravam e que atualmente constitui o complexo de um artista da região.

Agora, com uma boa xícara de café colombiano na mão, vamos começar.

Adriana Bernal, ADFC, diretora de fotografia: Um dos fatores que mais nos interessam no teste de lentes é a resolução, particularmente no que se refere a textura. Como você abordou essa questão fundamental?

Alfonso Parra, AEC, ADFC, diretor de fotografia: Como diretor de fotografia, procurei avaliar a resolução das lentes em termos de sua combinação com a ALEXA LF e seu sistema de gravação. Neste caso, filmamos em ARRIRAW (12 bits) e usamos o formato de sensor Open Gate para resolução máxima de gravação, embora as tomadas externas tenham sido feitas em 4K no modo 16:9. Como fotógrafos, estamos interessados na avaliação global da resolução, porque, enquanto as lentes são uma parte essencial na determinação da nitidez da imagem, elas não agem sozinhas. A resolução depende não apenas da lente, mas também do sensor, do filtro ótico “Low Pass” (OLPF), de qualquer compressão inerente ao sistema de gravação e, finalmente, do modo de exibição. Monitores, projetores e distância de visualização, desempenham um papel fundamental.

Para analisar a resolução da forma mais objetiva possível, empregamos charts de frequência (ISO 12232 e Putora) e software de avaliação de resolução (Imatest e ImagJ). Também avaliamos frames individuais, bem como charts construídos de várias texturas naturais. Não só estudamos todas as lentes em várias configurações de T-stop, mas também as examinamos como um grupo.

AB: Sim, é claro que uma parte importante de um teste de lentes, é determinar a consistência do look em um conjunto de lentes.

AP: Certamente. É por isso que apresento aqui um gráfico que mostra as relações entre as curvas MTF das seis lentes. Isso mostra que as lentes mais curtas exibem um pouco mais de nitidez que as mais longas, embora, em geral, a resolução de todo o conjunto seja muito alta, com uma média de 1650 Lw / ph a 50% no centro da imagem, quando cada lente está definida para T 5.6. Foi capturado em ProRes 4444. Vemos um pouco mais de resolução em ARRIRAW.

AB: Como a resolução varia entre diafragmas mais abertos e mais fechados? Estes valores são frequentemente diferentes devido a aberrações óticas e difração.

AP: Sim, é comum ver uma grande variação, mas ficamos surpresos com a consistência dessas lentes. A nitidez é consistente em toda a variação de abertura do diafragma. O valor médio é 1645 lw / ph de T1.8 a T5.6! Mesmo em T16 vimos 1352 lw / ph a 50% no centro da imagem. A difração causou uma pequena queda na resolução, mas isso não é visualmente significativo. Se eu mostrar a você, por exemplo, as curvas MTF para a lente 35mm, você verá que a resolução em T5.6 é a mesma ou um pouco menor que T16. Isso também é verdade para a 47mm e, em casos extremos, para a 18mm.

Se você quiser ver o que essas diferenças significam visualmente, veja o gráfico Prêt-à-Porter com a 29mm. A diferença entre T1.8 e T5.6 é imperceptível e eu mal consigo ver a pequena perda na nitidez em T16.

As curvas de MTF em 5.6 e 1.8 estão muito próximas. Vemos menos nitidez com a abertura mais fechada. Como sabemos, o efeito da difração é produzido quando nossa abertura está muito fechada e a luz que passa através das saídas, está em um ângulo em relação ao eixo ótico. Isso quer dizer que a luz difrata formando o que é conhecido como um disco Airy na superfície do sensor.

A perda de nitidez tem a ver com o tamanho do disco Airy, que aumenta à medida que a abertura é fechada. O tamanho do disco Airy afeta a nitidez da imagem com base em vários fatores, que incluem o tamanho e o tom dos photosites e o círculo de confusão desejado.

Teste de resolução, Deserto da Candelaria, Ráquira, Colômbia.

 

AB: A perda é realmente insignificante. Você diria que a difração torna os diafragmas mais fechados, mais suaves?

AP: Não, certamente eu não diria. Avaliamos as imagens do chart Putora até T22 e não encontramos nenhuma perda significativa de resolução. Estou convencido de que posso trabalhar com qualquer abertura de 1.8 a 22, sem perda significativa de resolução.

AB: Também verificamos a resolução da imagem no centro, nos lados e nos cantos. As lentes são surpreendentemente consistentes em nitidez.

AP: De um modo geral, a imagem é muito nítida em toda a extensão. Por exemplo, as curvas de MTF para a lente 47mm, mostram uma resolução semelhante entre o centro do quadro e as bordas.

O chart Putora facilita a comparação da resolução no centro da imagem para os cantos. É evidente que não há muita diferença. Você pode ver um pouco mais de nitidez no centro, mas isso é irrelevante.

Esse desempenho é o mesmo para todo o set de lentes, com exceção da 18mm, que mostra um pouco menos de nitidez nos cantos, embora isso também seja irrelevante.

AB: É fácil pensar que tanta resolução pode levar a uma imagem muito nítida, no entanto, essas imagens parecem suaves, com muita textura. Elas são naturais e orgânicas. Você compartilha essa impressão?

AP: Completamente. As imagens mostram tanta textura e resolução e, ainda assim parecem suaves, especialmente nos tons de pele. Isso é o que eu mais gostei. Acredito que a ARRI optou por criar lentes que são esteticamente perfeitas em vez de tecnicamente perfeitas e priorizaram a arte sobre a matemática, sem sacrificar o excelente desempenho ótico das lentes ARRI. Juntamente com a ALEXA LF somos capazes de capturar imagens muito bonitas, muito diferentes das imagens clinicamente nítidas e tecnicamente perfeitas capturadas por outras lentes. Essas lentes são projetadas, não para o sensor digital, mas para o mundo analógico.

Oficina de Artesanato em Cerâmica, Ráquira, Boyacá, Colombia. Signature 75mm T 2. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

 

Pátio das Bruxas, Ráquira, Boyacá, Colombia. Signature 125mm T 5.6 Tiffen ND 0.9. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

Nestas duas imagens, a pele parece macia, mas não há perda de nitidez ou textura na argila. Nas imagens que se seguem, também podemos ver riqueza de textura nos cestos, redes, madeiras e pedras. A resolução é alta, mas não “furiosa”. Ela é cheia de nuances e sutilezas, criando uma imagem rica e orgânica.

Ráquira, área principal, Boyacá, Colombia. Signature 35mm T4. Tiffen ND 0.9. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

 

Deserto da Candelaria. Boyacá, Colombia. Signature 75mm T 5.6 Tiffen ND 1.5. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

 

Mosteiro da Candelaria, Boyacá, Colombia. Signature 47mm T 4.7 Tiffen ND 1.5. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 50. Correção com ARRIRAW Converter.

Essa suavidade em tons de pele não está em desacordo com a excelente resolução, como podemos ver nesta foto panorâmica. Ela contém muitos detalhes de alta frequência, mas nada parece nítido demais. Extrema nitidez é uma das minhas principais preocupações ao trabalhar com lentes modernas para capturar imagens digitais.

Julián Vergara, 1º assistente de câmera. Essas lentes são projetadas para sensores digitais? O que isso significa exatamente?

AP: Essas lentes são fabricadas especificamente para trabalhar com sensores digitais. Elas empregam um projeto telecêntrico, onde os raios de luz que saem da lente são os mais paralelos possíveis ao eixo ótico. Os raios de luz atingem as microlentes em ângulos próximos da perpendicular. Isso contribui para uma melhoria substancial na resolução e reduz ou elimina as aberrações óticas no nível do sensor, permitindo a penetração máxima nos photosites. A capacidade de manter resolução e nitidez entre o centro da imagem e as bordas, tem muito a ver com esse projeto. Analisamos cuidadosamente as aberrações cromáticas e elas são mínimas a ponto de serem irrelevantes.

Este é o gráfico da chart Via Stellae (ampliado 2000 vezes!) com contraste e croma aprimorado para detectar mais facilmente quaisquer aberrações.

Abaixo, vemos os valores do Imatest de duas lentes, a 47mm e a 75mm. Os gráficos mostram a divergência dos comprimentos de onda vermelhos, verdes e azuis, mostrada pela área CA (aberração cromática) sob a linha pontilhada magenta, expressa em número de pixels. Quanto maior o valor CA, mais visível será a aberração. Também observamos como as aberrações variavam de acordo com a distância do centro da imagem, medida em porcentagens de acordo com a tabela fornecida pelo Imatest.

Todos os valores obtidos através das lentes estão abaixo de 0,04, então, podemos considerar a aberração cromática como insignificante. Também pesquisamos exaustivamente as aberrações cromáticas em frames individuais a partir da filmagem das externas, mas não encontramos nada.

 

Transverse chromatic aberration in percentage ratio of the distance to the image center Grade
0-0.04  

Negligible

0.04-0.08 Low. Difficult to see unless it is looked in detail.
0.08-0.15 Moderate. It can be seen when the image is substantially enlarged
Higher than 0.15 High. It can be clearly seen when the image is enlarged

AB: Pessoalmente, aberrações cromáticas, em particular, me incomodam muito. Elas não tinham muito impacto no filme analógico, mas, são claramente visíveis e perturbadoras na captura digital. É extraordinário ver lentes que praticamente eliminam essas aberrações.

Vamos falar sobre outras aberrações, como as geométricas. A 18mm me parece mostrar muito mais esse tipo de aberração do que as outras lentes.

AP: Estudamos cuidadosamente as aberrações de distorção, tanto o barrel quanto o pincushion. Como você sabe, elas são produzidas por variações na ampliação do campo da lente. Imatest nos dá medições de distorção em termos de valores de TV SMIA*. O valor SMIA difere da definição tradicional dada pela indústria de televisão: o valor de distorção SMIA é o dobro do que é tradicionalmente usado. Vimos 1,6% de distorção de barrel com a 18mm, -0,98% com a 29mm e -0,641% com a 35mm. O menor foi de 0,415%, visto na 125mm. Esses valores mostram alta distorção, especialmente nas lentes de menor distância focal.

Podemos ver a distorção geométrica e perspectiva na parte lateral dos quadros disparados no Pátio das Bruxas.

Pátio das Bruxas. Ráquira, Boyacá, Colombia. Tiffen ND 1.2. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

E aqui vemos claramente a distorção da 18mm.


Pátio de Brujas, Ráquira, Boyacá, Colombia. Signature 18mm T 5.6.Tiffen ND 1.2. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

 

Pátio das Bruxas, Ráquira, Boyacá, Colombia. Signature 18mmT 5.6.Tiffen ND 1.2. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

Para observar melhor a distorção da perspectiva, filmamos um cilindro perpendicular ao sensor de uma maneira que o eixo ótico da lente coincidisse com o do cilindro. Se compararmos a distância entre as bases do cilindro, podemos ver como cada lente constrói a relação espacial, não apenas com relação à aparência das distâncias relativas, mas também como o tamanho que objetos aparecem.

Existe uma diferença significativa entre as lentes, acima de tudo a mais longa e a mais curta. Como um diretor de fotografia, dou muita importância para a forma como as lentes projetam o mundo real no sensor, em outras palavras, como elas transformam nosso mundo tridimensional em duas dimensões e quão consistente é essa interpretação entre lentes dentro do conjunto. Diferentes intenções narrativas exigem que mudemos constantemente as distâncias focais durante a filmagem e, é importante ver como essas lentes criam a sensação de espaço.

Nestas imagens podemos ver a relação de tamanho entre o chart e o rosto da modelo. Podemos ver como as proporções mudam dependendo da lente usada. Preste atenção ao tamanho do chart, em relação ao rosto com a 125mm e como ele muda, por exemplo, com a 35mm. A sensação de espaço muda de uma lente para outra e temos que avaliar isso. Temos que nos preocupar em escolher a lente mais adequada para a narrativa visual.

Pátio das Bruxas, Ráquira, Boyacá, Colombia. Signature T8. Tiffen ND 1.2. LogCWGam. 23.97 fps. 180° 5.400°K. 3840×2160. 1:1.78. ISO 800. Detail 100. Correção com ARRIRAW Converter.

AB: O que você diz sobre o desenvolvimento do espaço visual é muito importante e deve-se estar ciente da incoerência espacial. Primeiro, porém, temos que entender a coerência espacial construída por um determinado tipo e conjunto de lentes. Isso é fundamental para a narrativa audiovisual, porque as lentes não são escolhidas apenas pelo seu ângulo de visão, mas também, eu diria, quase que ainda mais importante, por como elas criam uma sensação de espaço.

AP: Você está certo. Por esse motivo, precisamos saber como as lentes funcionam. Além disso, precisamos prestar atenção a outro fator importante, a respiração da lente. Diretores de fotografia geralmente não gostam que as lentes respirem por dois motivos principais: a primeira é que uma mudança de enquadramento desse tipo, revela a câmera para o público. O truque que usamos para contar a história é revelado. Na grande maioria dos casos, a câmera e a lente passam despercebidas pelo público. Nós, certamente não queremos revelá-los através de um incidente técnico que está fora de nosso controle. Por essa razão, preferimos lentes tecnicamente proficientes que não revelam nossos truques para o público.

 

O outro e, talvez mais sutil, tem a ver com a sensação que é gerada por uma variação no tamanho do quadro enquanto se foca. A respiração da lente muda a sensação de espaço para o público sem nenhuma razão narrativa. O tamanho dos objetos muda sem causa narrativa devido a um tecnicismo que interfere na narração da história. Essa variação espacial também transmite uma transformação temporal. Ou seja, a sensação de tempo que é gerada pela mudança do foco da lente se o enquadramento muda.

Para avaliar a respiração da lente, usamos o chart Vía Stellae. Sobrepusemos um chart focado sobre outro sem foco; os pequenos pontos brancos estão focados e os pontos maiores e mais suaves estão desfocados. Se ambos os pontos estiverem concêntricos (alinhados), podemos afirmar que a lente não respira. Se os pontos não forem concêntricos, podemos ver imediatamente o grau em que a ampliação da lente muda com o foco.

29mm

 

47mm

 Nenhuma das lentes mostra qualquer respiração, com exceção da 18mm, que mostra uma pequena respiração. O chart revela um efeito de vinheta em torno das bordas do quadro, onde o ponto se transforma em uma elipse. O efeito de vinheta é causado pela obstrução física da luz pelo barrel da lente em grandes aberturas. Isso é normal em todas as lentes.

Na 18mm, também podemos ver alguma distorção dos pontos nas laterais do quadro. Além disso, podemos ver que os highlights, são círculos e não poliedros, porque o diafragma tem onze lâminas. Isso significa que o bokeh será delicado, o que realmente mostramos nos testes com a modelo em frente as luzes de Natal.

Filmando no Pátio das Bruxas.

 

Signature 18mm T1.8

 

AB: Eu gostei muito do bokeh. É sutil, quase “cremoso” e delicado com linhas e áreas de alto contraste. Essa nitidez “suave” parece contraditória, mas faz a imagem parecer muito natural, não agressiva. Isso elimina a aspereza que, às vezes, vejo na imagem digital. Como você diz, em grande parte, a forma dos highlights fora de foco depende do número das lâminas do diafragma e de como elas são colocadas a partir da visualização do projeto ótico. Quanto mais lâminas forem usadas, mais arredondado será o highlight. Onze lâminas são muitas!

AP: Concordo completamente. Quando focamos e desfocamos a lente, podemos ver como as linhas e contornos se fundem no espaço de uma maneira maravilhosa. Isso é a parte do que mais gosto nessas lentes. Os vídeos que acompanham, demonstram esse efeito. Além disso, as formas não crescem ou encolhem de maneira artificial à medida que o foco muda. Elas suavizam de uma maneira muito orgânica.

Na imagem seguinte, mostramos todas as lentes com a modelo em foco e depois todo o quadro fora de foco. Podemos ver quão suaves são os contornos em relação aos pontos de luz. Filmamos esses testes em T1.8 e T5.6 e, observamos que a forma dos reflexos era consistente, mantendo a característica do bokeh.

Adriana Bernal, ADFC e Julián Vergara em uma indústria em Todo Ráquira.

 

AB: Voltando para um tópico mais técnico, não mencionamos nada sobre uniformidade de iluminância. Além de avaliar a resolução no campo de cada lente, também avaliamos a uniformidade da iluminância.

AP: Isso mesmo. Para avaliar a uniformidade de iluminância, filmamos uma superfície branca uniformemente iluminada e depois a examinamos no Imatest e, usando um waveform, fomos capazes de produzir um gráfico 3D que mostra os valores de iluminância em todo o quadro para cada stop. Incluí apenas dois exemplos aqui, pois todas as lentes mostraram valores muito semelhantes.

18mm T 1.8

 

18mm T 2.8

Com a 18mm, a perda de iluminância nos cantos é de -0,46 stops ou um pouco menos de 1⁄2 stop. Nas bordas, vemos uma diferença de -0,2 ou menos de 1/3 de stop. Com a lente fechada para T2.8, os cantos estão em -0,25 e as bordas em -0.117 stops. Essa perda de iluminação na lente mais aberta do conjunto, também pode ser vista no waveform. Francamente, esses valores são realmente baixos para lentes com essas características e um sensor de grande formato. Claro que a queda é invisível em imagens normais filmadas ao ar livre. Podemos usar a íris mais aberta sem perda significativa de iluminância.

18mm T1.8

 

18mm T2.8

Devemos salientar que estamos usando o formato LF Open Gate para esses testes, que preenche todo o círculo de projeção da lente. Se mudarmos para o modo de sensor LF 16:9 UHD, vemos ainda menos perda de iluminação, porque este formato não usa todo o círculo de projeção da imagem feita pela lente.

AB: Gosto do excelente desempenho em resolução e iluminância das lentes em T1.8. A imagem permanece consistente no brilho, mantém a textura em todo o quadro e parece suave. Acredito que isso tenha a ver com o modo como essas lentes gerenciam o flare e o veiling glare. O glare e o flare, indicam como os feixes de luz refletem entre os elementos reais da lente ou nos suportes da estrutura de dentro da lente. Eles contribuem para modificar o contraste, nitidez e a resolução.

AP: Sim, podemos dizer que o glare é a quantidade de luz que incide sobre as áreas pretas de um sensor enquanto se fotografa um objeto branco. Para testar isso, filmamos uma escala de cinza com um buraco preto para criar um preto sólido. Os resultados mostram que o veiling glare é extremamente baixo, de 0,02% com a 125mm à 0,087% com a 29mm. Isso significa que os pretos são profundos e densos, com quase nenhuma poluição pelos highlights (altas luzes).

Este é um exemplo em que superexpomos o fundo em comparação a nossa modelo.

O fundo por trás de Jennifer está bem exposto em T16, ligeiramente superexposto em T5.6 e bem superexposto com highlights clipados em T1.8. Os tons de pele e os cabelos mantêm sua forma e densidade apropriada, mostrando que o veiling glare está bem controlado, mesmo que sangre suavemente no rosto de Jennifer.

AB: Esta imagem é muito interessante porque, por um lado, mostra um controle excepcional do veiling glare, mas, por outro, esse controle não é tão rígido que as lentes se tornem desagradáveis em altos contrastes e parecem excessivamente nítidas. Desta forma, elas diferem da Master Primes, onde o glare é mais limpo com uma aparência mais fria, mais clínica.

AP: Concordo com você, o controle do glare e flare é mais suave e mais “orgânico” do que nas Master Primes. Esse controle também é perceptível quando avaliamos o reflexo em diferentes stops. No exemplo abaixo, com a lanterna, podemos ver como o preto ao redor da lanterna mostra um sangramento delicado da luz, que é basicamente o que vimos no exemplo anterior com a Jennifer.

Também podemos mostrar que o desempenho das lentes em relação ao flare é muito homogêneo. Veja estas imagens de uma vela comparando diferentes distâncias focais.

Neste gráfico, medimos o nível de brilho dos pixels, do preto extremo a branco extremo, o ponto da chama e de volta ao preto extremo. Vemos que as curvas são muito semelhantes para todas as lentes, sendo a 18mm um pouco mais suave.

AB: Como o veiling glare é tão bem corrigido, os flares da lente também são muito limpos e não “clipam” duramente.

AP: É verdade, os reflexos do flare forma uma linha fina de círculos e halos que são muito limpos, mas suaves, sem “clipar” acentuadamente. Vemos flares novamente no vídeo mostrando o sol sobre a paisagem e a modelo.

Devemos também discutir a cor, consistência e “tom” das lentes.

AB: Percebi que as lentes são bastante neutras em relação a cor. Elas não são frias, mas também não são quentes. No entanto, elas são excepcionalmente bonitas quando se trata de tons de pele.

AP: Concordo com você. Essas lentes não são predominantemente frias nem quentes. Além disso, elas são muito consistentes na reprodução de cores. Com o chart Macbeth, verificamos que todas as distâncias focais reproduzem a cor igualmente.

No entanto, quero salientar algumas diferenças que observamos, embora sejam irrelevantes no uso habitual das lentes. É interessante notar, por exemplo, que o cinza médio, que estava definido a T5.6, é ligeiramente mais frio em comparação com T1.8 e ligeiramente mais quente em comparação com T16.

Apesar das lentes consistentemente recriarem as cores do chart com precisão, particularmente os patches de tom de pele, vimos pequenas diferenças em outros patches. Por exemplo, o tom laranja (amostra 7) capturado pela lente 75mm, pareceu um pouco diferente, dependendo do T-stop.

O resto dos tons do chart, foram reproduzidos normalmente, independente do T-stop selecionado. Não tenho certeza se isso está relacionado às próprias lentes ou à combinação de lentes e sensores. De qualquer forma, acho que é interessante o suficiente apontar aqui.

Mais dois exemplos, um com a lente 47mm (amarelo – amostra 16) e a 29mm (ciano – amostra 18).

Com o restante das lentes, não observamos nenhuma variação nas amostras de cores com alterações da íris.

AB: Em nenhum caso, não vemos tais variações com o olho facilmente. É claro que elas não são visíveis nos locais que capturamos.

AP: Claro, só podemos vê-las nos charts e com uma lupa. Mas você sabe como eu gosto de mexer com equipamentos. Por outro lado, a combinação da câmera ALEXA LF e essas lentes, produzem um resultado surpreendente. Para aqueles de nós que já trabalham com a ALEXA, essa nova LF já é familiar. A operação da câmera e o workflow são familiares e confiáveis.

Juan Pablo Bonilla, DIT: É isso mesmo, o workflow é o mesmo de todas as câmeras ARRI. Trabalhamos no formato ARRIRAW nas externas e ProRes 4444 para todos os charts, sem nenhum problema.

Conhecemos bem o sistema ARRI e, com a nova câmera LF, a metodologia é basicamente igual a qualquer outra ALEXA. Criamos proxies ProRes 422 para a edição, com correção básica de cor, aplicando o padrão ARRI 709 LUT no Resolve.

AB: Fizemos a edição no Premier e a cor no Scratch em 4K 16:9 ARRIRAW. Mas acho que devemos falar um pouco sobre como trabalhar com as lentes no campo. Julián, quais foram suas impressões trabalhando com o Signature Primes?

Julián Vergara, 1º assistente de câmera: A primeira coisa que me chamou a atenção foi o peso. São lentes grandes, mas incrivelmente leves.

Estas são as primeiras lentes de cinema construídas em magnésio. Este metal é muito forte e é usado em carros de corrida da Fórmula 1 e na aviação. No entanto, o peso leve não está em conflito com a solidez e robustez necessárias para as lentes de cinema.

A construção é muito semelhante em todo o conjunto das lentes. Os pesos variam entre 1,7kg para as angulares e 3kg no caso das telefotos. Isso favorece o novo estilo de configurações de equipamentos que exigem configurações leves e facilitam o transporte e o manuseio. Externamente, elas são as mesmas: a mesma aparência, o mesmo posicionamento do anel e o mesmo diâmetro frontal. Isso torna as filmagens mais rápidas e fáceis, já que posso trocar de lentes sem trocar os acessórios.

É evidente que essas lentes são de grande precisão, principalmente ao usar lentes grande angulares em longas distâncias. A definição dos personagens no quadro é muito boa. Mesmo quando a 15 ou 25 metros de distância, eles ainda aparecem separados do fundo.

O acompanhamento do foco é orgânico e o bokeh tem uma sensação “cremosa”. É muito fácil para mim ver o ponto de foco à medida que as bordas se tornam claras e definidas. O torque do anel de foco é perfeito. É solto o suficiente para permitir que eu responda rapidamente, mas mantem a sua posição.

AP: O que você disse sobre ver o foco, é muito importante no que se refere à separação dos personagens do plano de fundo. A capacidade de diferenciar entre as distâncias com essas lentes é realmente boa, mesmo com distâncias focais curtas. Isso contribui significativamente para sua personalidade única, embora, quando combinados com sensores full frame, tornem seu trabalho mais difícil.

JV: Sim, o tamanho maior do sensor, resulta em uma profundidade de campo menor. Os assistentes de câmera vão experimentar profundidades de campo menores do que estamos acostumados a trabalhar agora. Especialmente em casos com o diafragma aberto. Teremos que aprender a ser muito precisos e usar a concentração absoluta para produzir quadros bem focados.

AB: Você experimentou isso durante os testes externos, não foi?

JV: Sim, experimentei. Foi mais difícil do que o habitual, tendo em conta que filmamos sem luz artificial e constantemente mudamos de lentes, aberturas e locações. Eu também gostaria de destacar as excelentes características de distância mínima da ARRI, que vão de 35cm, nas lentes mais abertas, 45cm nas lentes normais e até 2m com as teleobjetivas.

Zao Wou-Ki. 2008 Sem Título (La Cavalerie). Aquarela sobre papel.

 AP: Para concluir, gostaria de oferecer minha avaliação pessoal dessas lentes. Elas trazem à mente o trabalho do pintor Zao Wou-ki. Seu trabalho é maleável, sutil, elegante e profundo. Essas são as lentes Signature Prime para mim: elas oferecem resolução muito boa, mas são suaves e cremosas. Elas distinguem muito bem entre o primeiro plano, o plano de fundo e as distâncias intermediárias dentro do quadro e os integram em uma harmonia natural e orgânica. Gosto especialmente dos tons de pele, que, sem perder a textura, ficam sedosos.

AB: Além disso, gostaria de acrescentar algo sobre a sensação de espaço criada por essas lentes. Elas criam espaço de uma maneira distinta para o que estamos acostumados em S35. Acredito que o design telecêntrico e a falta de distorção de perspectiva que observamos, resultam em uma sensação de espaço determinada por uma separação melhor e mais clara entre as distâncias dentro do quadro. Mas também, em comparação com S35, pela maior ampliação de objetos dentro do quadro.

AP: Concordo com você. Acho que o principal fator para isso é o design telecêntrico. Minha impressão e, isso é um tanto subjetivo, é que os elementos no quadro são “maiores” do que no S35 com lentes não telecêntricas. Isso me dá uma maior sensação de espaço e, portanto, também de tempo, quase um tipo de “desaceleração”.

Bem, foi um prazer trabalhar com todos vocês nesses testes. Agora vamos tomar mais uma xícara de café e depois vamos para casa.

Vídeos dos testes podem ser vistos em:

Ráquira, Colômbia: https://vimeo.com/307146957
Teste Técnico: https://vimeo.com/307149549
Making of: https://vimeo.com/307151741

A equipe completa, teste de lentes Signature Prime, 2018.

 Em colaboração com:

Topo