Cinemateca Brasileira dedica mostra aos movimentos Cinema Novo e Cinema Marginal

Cbs Id A Falecida

Entre os dias 15 e 25 de fevereiro, a Cinemateca Brasileira apresenta uma mostra dedicada a dois movimentos importantes da filmografia nacional: o Cinema Novo e o Cinema Marginal. O Cinema Novo (anos 1960), compromissado a renovar a linguagem cinematográfica brasileira a partir de um realismo crítico, tinha como objetivo, também, ter um impacto político concreto a partir da mobilização das massas. O Cinema Marginal (anos 1960-1970) foi caracterizado por filmes radicais e experimentais, de forma a salientar as incoerências da realidade brasileira a partir de paisagens, personagens e temáticas marginalizadas. O ponto de embate entre os dois movimentos reside no fato de os cineastas “marginais” se desapontarem com o rumo do Cinema Novo, cada vez mais preocupado em atingir um grande público e realizar “espetáculos” cinematográficos, deixando de lado o cinema de autor.

A mostra tem como objetivo evidenciar esses embates entre os dois movimentos, sendo complementada por um curso ministrado pelo prof. Dr. Eduardo Morettin, professor de audiovisual na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e pesquisador da história do cinema brasileiro, com especial ênfase no período da ditadura civil-militar.

O curso terá quatro aulas, nas quais serão discutidos filmes dos dois movimentos cinematográficos. Parte das vagas será distribuída por meio de inscrição prévia em formulário disponibilizado no site da Cinemateca Brasileira, e o restante distribuído uma hora antes do início de cada aula na bilheteria.

O curso será gravado e transmitido ao vivo pelo canal da Cinemateca Brasileira no Youtube. Tanto presencialmente quando online será acompanhado de tradução simultânea em Libras.

A programação é gratuita e os ingressos são distribuídos uma hora antes de cada sessão.

SOBRE O CURSO CINEMA NOVO E CINEMA MARGINAL

Os filmes discutidos ao longo do curso serão exibidos dentro da mostra, logo antes de cada aula.É fundamental tê-los assistido para o acompanhamento e bem aproveitamento do curso.

Curso inteiramente gratuito.

150 vagas distribuídas por ordem de inscrição neste formulário (a confirmação de inscrição será enviada por e-mail). As vagas serão reservadas somente até o início das aulas, depois disso serão liberadas para a lista de espera.

50 vagas adicionais distribuídas por ordem de chegada 1h antes do início de cada aula.

O certificado será distribuído somente para inscritos neste formulário e que comparecerem a pelo menos 3 aulas.

O curso contará com tradução simultânea em Libras.

O curso será totalmente e transmitido ao vivo pelo canal da Cinemateca Brasileira no Youtube. Este formulário é apenas para a modalidade de participação presencial.

Aula 1
15/02 (18h – 19h)
Discussão sobre Deus e o Diabo na Terra do Sol (Glauber Rocha, 1964)

Aula 2
16/02 (18h – 19h)
Discussão sobre Terra em transe (Glauber Rocha, 1967)

Aula 3
22/02 (18h – 19h)
Discussão sobre os curtas Maioria absoluta (Leon Hirszman, 1964), A entrevista (Helena Solberg, 1966) e Blablablá (Andrea Tonacci, 1968)

Aula 4
23/02 (18h – 19h)
Discussão sobre O bandido da luz vermelha (Rogério Sganzerla, 1968)

Sobre o ministrante

Eduardo Victorio Morettin tem vasta trajetória na pesquisa das relações entre história e cinema no Brasil. É professor da Escola de Comunicações e Artes da USP e diretor do CINUSP Paulo Emilio. Graduado e licenciado em História, mestre e doutor em Artes, livre-docente em História do Audiovisual Brasileiro, títulos obtidos pela Universidade de São Paulo, além de pós-doutor pela Université Paris I (França).

Participou de conselhos editoriais de diversos periódicos e é autor e organizador de inúmeros livros, entre eles “A recepção crítica de Glauber Rocha no exterior (1960 – 2005)”, “O cinema e as ditaduras militares: contextos, memórias e representações audiovisuais” e “História e Cinema: dimensões históricas do audiovisual”. É um dos organizadores do Colóquio Internacional de Cinema e História.


CINEMATECA BRASILEIRA
Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Mariana
Horário de funcionamento
Espaços públicos: de segunda a segunda, das 08 às 18h
Salas de cinema: conforme a grade de programação.
Biblioteca: de segunda a sexta, das 10h às 17h, exceto feriados
Sala Grande Otelo (210 lugares + 04 assentos para cadeirantes)
Sala Oscarito (104 lugares)

Retirada de ingresso 1h antes do início da sessão.

Confira a programação: https://www.cinemateca.org.br

Total
0
Shares
Prev
Pesquisa da Firjan e Sicav revela a alta demanda por mão de obra pelo mercado
Pesquisa Firjam

Pesquisa da Firjan e Sicav revela a alta demanda por mão de obra pelo mercado

Next
Estão abertas as inscrições para mostras de cinema do Fica 2024
Whatsapp Image 2024 02 08 At 12.00.26 980X653 1

Estão abertas as inscrições para mostras de cinema do Fica 2024

También te puede interesar